Utilização de esterco como medida auxiliar no controle da murcha bacteriana em genótipos de batata

D. Montenegro-Coca, C.F. Ragassi, C.A. Lopes

Resumen


Avaliou-se o efeito da aplicação de estercos compostados sobre a incidência de murcha-bacteriana (MB) nas cultivares Agata, Monalisa e Bintje, em campo naturalmente infestado com Ralstonia solanacearum. Utilizou-se o delineamento experimental de parcelas sub-subdivididas, desenho fatorial 3 x 2 x 4, referente a três cultivares, dois tipos de esterco – de gado e de galinha –, quatro doses (0, 10, 20, e 30 Mg . ha-1 para o esterco de galinha e 0, 15, 30 e 45 Mg . ha-1 para o esterco de gado) e seis repetições. De forma a verificar se o efeito da aplicação do esterco na incidência de MB estava relacionado à disponibilização de enxofre e nitrogênio, aplicou-se 300 kg ha-1 de sulfato de amônio nas parcelas referentes a um dos tratamentos-testemunha sem esterco. Essa comparação foi considerada como experimento adicional e não como uma subparcela do experimento central. Avaliou-se a incidência da doença, a produtividade total e a produtividade comercial. Os resultados evidenciaram aumento da produção associado à redução na incidência de MB, observada principalmente com aplicação de 10 Mg . ha-1 de esterco de galinha. A redução verificada ocorreu de forma mais acentuada nas cultivares Bintje e Monalisa em comparação com a cultivar Achat, que, independentemente da aplicação de esterco, apresentou menor incidência de MB. A aplicação em cobertura de sulfato de amônio também reduziu a incidência de murcha bacteriana em ‘Bintje’ e ‘Monalisa’ e isso sugere que o efeito supressivo a essa doença, obtido com aplicação do esterco de galinha, seja devido, pelo menos em parte, ao fornecimento de enxofre e nitrogênio ao sistema.

Aceito para publicação: Julho 15, 2012.


Palabras clave


Solanum tuberosum L.; Ralstonia solanacearum; nutrição da batateira; adubação; sulfato de amônio

Texto completo:

PDF

Referencias


Anselmo, B.A.; A.L. Nagpala. 1986. Effect of different kinds and rates of organic fertilizer on the severity of bacterial wilt infection caused by Pseudomonas solanacearum on potato. Philippine Journal of Crop Science 11. Supplement 1: 57-57.

Berger, R.D. 1988. Chapter 9. The analysis of effects of control measures on the development of epidemics. pp.137-151 En: Kranz, J.; J. Rotem, (eds). Experimental techniques in plant disease epidemiology. 1th edition. Springer-Verlag, Berlim. 299 p.

Bernal, M.P.; J.A. Albuquerque; R. Moral. 2009. Composting of animal manures and chemical criteria for compost maturity assessment. A review. Bioresource Technology 100(22): 5444-5453.

Fontes, P.C.R. 1997. Preparo do solo, nutrição mineral e adubação da batateira. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Brasil. 42p.

French, E.R. 1994. Chapter 14. Strategies for integrated control of bacterial wilt of potatoes. pp.199-207. En: Hayward, A.C.; G.L. HARTMAN (eds.) Bacterial Wilt: The Disease and its Causative Agent, Pseudomonas solanacearum. 1th edition. CAB International, Wallingford. 260 p.

Gallegly, M.E.; J.C. Walker. 1949. Plant nutrition in relation to disease development. V. Bacterial wilt of tomato. American Journal of Botany 36(8): 613-623.

Genin, S.; C. Boucher. 2004. Lessons learned from the genome analysis of Ralstonia solanacearum. Annual Review of Phytopathology 42(1): 107-134.

Gorissem, A.; L.S. Overbeek van; J.D. van, Elsas. 2004. Pig slurry reduces the survival of Ralstonia solanacearum biovar 2 in soil. Canadian Journal of Microbiology 50(8): 587-593.

Haneklaus, S.; E. Bloem; E. Schnug. 2007. Chapter 8. Sulfur and plant disease. pp.101-118. En: Datnoff, L.E.; W.H. Elmer; D.M. Huber (eds). Mineral nutrition and plant disease. 1th edition. The American Phytopathological Society, Saint Paul. 278 p.


Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia